Análise Samsung Galaxy S8+

04 julho 2017
Análise Samsung Galaxy S8+

Olá mais uma vez! Se não ficaram satisfeitos com a análise do Samsung Galaxy S8 e queriam saber como se comportava o seu irmão maior, o Plus, digamos que vos...

Análise Samsung Galaxy S8

25 junho 2017
Análise Samsung Galaxy S8

Boas pessoal! Primeiro que tudo vamos notificar-vos que temos uma nova parceria no nosso website, pois agora podemos contar com a ajuda da Samsung para vos trazer análises de equipamentos...

Análise BQ Aquaris U Plus 3GB

25 janeiro 2017
Análise BQ Aquaris U Plus 3GB

Boas pessoal! Certamente que já tinham saudades de uma das nossas longas análises, sendo que hoje vos trazemos um novo smartphone da BQ! O smartphone que vos chega é o...

Análise Fifa 14 [PC]

Mais um ano, novas gerações dos jogos anuais. Com isto estamos claramente a referirmo-nos aos jogos de desporto, mais propriamente, neste caso, o novo FIFA 14. Sabemos que já saiu à algum tempo, mas nem por isso esta análise é menos valiosa. Existem várias versões, sendo que aquela que vamos analisar é a versão de PC, que se encontra a par das versões de PS3 e Xbox 360. Será que este FIFA traz algo de novo? Ou é apenas o mesmo jogo do ano passado? Esperemos que o estúdio da EA responsável tenha conseguido fazer algo de especial com este Fifa. Vamos jogar futebol!

 

 

 

 

Nos anos anteriores, cada FIFA beneficiou de grandes mudanças. Quer tenha sido o Tactical Defending, o Player Impact Engine, o First Touch. Cada uma destas mudanças ajudaram a tornar a série mais sofisticada ao reescrever aquilo que define um jogo de futebol. Será então de estranhar que este seja o primeiro Fifa em que não existe nada de revolucionário, à primeira vista. Contudo uma análise mais ao pormenor revela que não é bem assim. As mudanças estão lá, mas é necessário alguns jogos até as conseguirmos apanhar e notar. Assim sendo, será de esperar que este seja um jogo melhorado relativamente ao ano passado e que nos vai manter agarrados.

A maior parte destas pequenas alterações parecem somente superficiais, contudo indo mais ao cerne da questão, vemos que são mudanças pequenas mas importantes. Aquilo que irão notar pela primeira vez que tocarem no jogo é que os jogadores têm um “feel” completamente diferente, estão um pouco mais lentos, diria até mais reais. Para além disso, também as animações são novas em comparação com o ano passado.

Voltando ao movimento dos jogadores, este é algo que confere toda uma nova realidade ao jogo, pois os jogadores já não conseguem mudar de direção com aquela rapidez habitual de um jogo de futebol, pois agora as transferências de peso fazem com que o jogador demore um pouco mais a mudar a sua direção. Para além disso os jogadores tomam conta da bola de uma maneira muito mais natural, controlando a mesma com o interior or exterior do pé, conforme for necessário.

Falando agora de um dos pontos de vista que provavelmente será a maior desilusão da versão, falo pois dos gráficos. É uma pena que a EA não tenha escolhido utilizar o novo engine das consolas next gen na versão para pc, pois todos nós sabemos quais as capacidades de um pc no que toca a gráficos. Assim, mesmo com as animações melhoradas, os gráficos já começam a parecer um pouco datados, estando assim com o mesmo nível das versões de consolas (PS3 e Xbox 360). De resto, a apresentação pré-jogo também foi um pouco melhorada, tal como os menus, sendo os mesmos muito intuitivos, para além de apresentarem mais informação ao jogador.

Falando agora das ações dentro de campo, a novidade tem o nome da Precision Movement (nome dado pela EA), sendo esta a responsável pela maior facilidade em fintar ofensivamente. Como provavelmente sabem, ao pressionar o LT (ou L2), o jogador coloca-se em posição de “precision dribbling”, algo qu
e dá muito jeito nos confrontos contra defesas. Agora esse modo foi melhorado, sentido assim uma maior conexão entre a bola e o jogador, muito devido às novas animações.
 

Para além disso é de mencionar a renovada IA dos nossos companheiros, permitindo trocas de bola excecionais, especialmente em termos de ocupar espaços vazios, à espera de um passe em profundidade. Isto facilita em muito o jogo, pois temos sempre o suporte da nossa equipa (algo também presente nas ações defensivas).

Outra novidade em termos de jogo são os remates. A nova física da bola implementada, permite dar azo a uma infinidade de remates diferentes, quer sejam remates com a parte exterior do pé, onde é dado uma figura especial sobretudo ao efeito, quer remates em que a bola afunda mesmo antes de passar a linha de golo.

Similar ao ano passado estão os passes, em que nada de novo foi adicionado, pelo que provavelmente será um ponto de inovação para a EA no ano que vem.

Como sempre, uma das grandes mais valias do FIFA é a quantidade de informação e estatísticas em tempo real que o mesmo tem. Este ano não é exceção, com a integração das ligas e o “Live Season”, para além de alguns toques pessoais nos comentários, caso algum jogador faça algo de extraordinário na vida real (ou simplesmente faça anos!).

De resto, temos um modo de jogo para todos os gostos. Desde o modo virtual pro, passando pelo modo carreira, ou mesmo pelo épocas online, temos conteúdo para assegurar que não nos iremos cansar desta iteração tão cedo. Ainda para mais quando o modo Ultimate Team também surge de cara lavada.

As novidades do Ultimate Team baseia-se sobretudo na mudança da interface, que faz jogar este modo jogo algo muito fácil e intuitivo, sendo de especial destaque a procura de jogadores, que se tornou bastante mais fácil. Também temos uma novidade relativamente à química, pois agora os jogadores já não estão presos a determinadas tácticas. Para além disso, temos agora estilos de química, que acentuam determinadas características de um jogador. Por exemplo, caso dêmos um estilo de química que acentua o drible e velocidade, quanto melhor a química desse jogador, maior será o drible e velocidade. De resto, o este modo de jogo continua tão viciante como sempre.

Relativamente à experiência online com a EA e os seus servidores, penso que não estão nada maus, ainda que já tenha ocorrido alguns jogos que ficaram por registar pelos servidores. Outra coisa que não é nada agradável é o facto de caso o jogador adversário abandonar o jogo, os jogadores perdem contratos, algo desnecessário e que penso que poderia ser melhorado pela EA.

De resto, é um FIFA. Equipas licenciadas não faltam, pelo que poderão estar muito tempo sem repetir a mesma equipa, os jogos são intensos, agradáveis e muito bons de jogar em companhia.

Modo Ultimate Team

 

Conclusão

Positivo

+ Nova movimentação

+ Melhorias da interface

+ Novidades no UT

Negativo

-  Visual começa a tornar-se datado

Preço de venda médio: 39,90 € em Portugal

Apresentação: 9/10

Longevidade:10/10

Enredo: N/A/10

Geral: 9/10

Mais um ano, mais um FIFA, desta vez uma consolidação do jogo anterior, fazendo com que os amantes do futebol tenham algo que os mantêm entretidos durante mais um ano. Espero contudo que a EA mostre tudo aquilo que a raça PC é capaz ao utilizar o motor next gen na próxima iteração do jogo para PC. Ainda assim, é um jogo claramente superior ao do ano passado, fica apenas ao critério de cada se é necessário fazer o upgrade. Na minha opinião? Sim vale a pena!

Por tudo isto, este jogo é recomendado pelo InsideGeeks!

 

Realtime website traffic tracker, online visitor stats and hit counter